“Deus humilha-se para caminhar com seu povo”, disse o papa Francisco

Milhares de peregrinos participaram da celebração do Domingo de Ramos, 29, na Praça de São Pedro. O papa Francisco presidiu missa, que teve início com bênção e procissão dos ramos, recordando a entrada de Jesus em Jerusalém. Em sua homilia, o papa citou trecho da Carta aos Filipenses, que diz “Humilhou-Se a Si mesmo”, destacando a humildade de Deus e o compromisso de cada cristão.
“Um estilo que nunca deixará de nos surpreender e pôr em crise: jamais nos habituaremos a um Deus humilde! Humilhar-se é, antes de mais nada, o estilo de Deus. Deus humilha-se para caminhar com o seu povo, para suportar as suas infidelidades”, disse o papa. Para Francisco, a Semana Santa é o caminho para à Páscoa, momento para viver a estrada da humilhação de Jesus.
“Nestes dias, ouviremos o desprezo dos chefes do seu povo e as suas intrigas para o fazerem cair. Assistiremos à traição de Judas. Veremos o Senhor ser preso, condenado à morte, flagelado e ultrajado. Ouviremos que Pedro, a ‘rocha’ dos discípulos, o negará três vezes. Ouviremos os gritos da multidão, que pedirá a Sua crucificação. E o veremos coroado de espinhos”.
Para o papa, este é o caminho de Deus, o caminho da humildade e que não há outra estrada de Jesus a não ser essa. “Não existe humildade sem humilhação”. Francisco explicou, ainda, que humildade quer dizer serviço, significa dar espaço a Deus despojando-se de si mesmo, esvaziando-se. “Esta é a maior humilhação.”
Doação e amor
Para esta Semana Santa, o papa fez convite para que os cristãos busquem deixar de lado o caminho da vaidade, do orgulho, do sucesso. E, deu exemplo de homens e mulheres que cada dia, no silêncio e escondidos, renunciam a si mesmos para servir um familiar doente, um idoso sozinho ou uma pessoa deficiente.
“Com eles, emboquemos também decididamente esta estrada, com tanto amor por Ele, o nosso Senhor e Salvador. Será o amor a guiar-nos e a dar-nos força e onde Ele estiver, estaremos também nós”, refletiu o papa.
Em saudação aos peregrinos, Francisco dirigiu-se aos jovens, motivando-os para a Jornada Mundial da Juventude, em Cracóvia. “Caros jovens exorto-vos a continuar o vosso caminho seja nas dioceses, seja na peregrinação através dos continentes, que vos levará no próximo ano a Cracóvia, pátria de São João Paulo II, iniciador das Jornadas Mundiais da Juventude”.
Ao final, o papa também rezou pelas famílias das vítimas do desastre aéreo da companhia alemã, recordando de modo particular o grupo de jovens estudantes que nele perdeu a vida.

Facebook Comments