Arquidiocese de Campo Grande sedia Encontro Estadual da IAM

As Dioceses de Corumbá, Três Lagoas e Campo Grande, que fazem parte do Regional Oeste 1, participaram nos dias 11 e 12 de junho do Encontro Estadual da Infância e Adolescência Missionária (IAM), a fim de reavivar e fortalecer a caminhada da Obra da Infância e Adolescência Missionária nas paróquias e Dioceses do Estado.

O encontro foi realizado no Centro de Formação de Pastoral da Arquidiocese de Campo Grande. Participaram Dom Vitório Pavanello – Bispo Referencial da Dimensão Missionária do Regional Oeste 1, Padre Agenor Martins, CSsr – Coordenador de Pastoral da Arq. de Campo Grande, Padre André Luiz de Negreiro – Secretário nacional da IAM. Além de assessores diocesanos da IAM,  crianças e adolescentes de 17 Paróquias de Campo Grande.

FOTO MT IAMO serviço da Infância e Adolescência Missionária propõe às crianças e adolescentes de todas as dioceses do mundo um programa baseado na oração, no sacrifício e em gestos de solidariedade concreta. “As crianças e os adolescentes não são o futuro da Igreja, eles já são Igreja hoje. Aí reside a importância do IAM, são crianças evangelizando crianças”, explica Pe.  Agenor, CSSR.

Padre André Luiz de Negreiro falou da necessidade da “Reestruturação da IAM no Regional”. Durante o encontro, ele constatou a falta de coordenadores nas dioceses de MS. “O desafio é estimular os grupos em cada diocese”, avalia o secretário.

Ficou definido que até o próximo encontro estadual marcado para os dias 5, 6 e 7 de agosto, todas as dioceses do Regional (Campo Grande, Coxim, Corumbá, Dourados, Jardim Naviraí e Três Lagoas) deverão apresentar os coordenadores.

A Arquidiocese de CG já está se articulando. Foram definidas como articuladoras Sandra Giselli Cavalheiro, da Paróquia São Judas Tadeu, e a Irmã Neiva Martins, da Congregação das Irmãs de Jesus Adolescente. “Estarei uma vez por semana na Cúria, nas quartas- feiras pela manhã para manter contato com as paróquias da Arquidiocese. Nesse primeiro momento faremos um diagnóstico de quais paróquias já realizam o trabalho da infância e adolescência missionária, identificar voluntários e conhecer o que é feito atualmente”, diz  Sandra Giselli. Em outubro será feita a eleição da coordenação da IAM da capital.

A história da Infância e Adolescência Missionária

De acordo com o Pe. André Luiz de Negreiros, a Pontifícia Obra da Infância e Adolescência Missionária (IAM) foi fundada por Dom Carlos Forbin-Janson, Bispo de Nancy, França, em 19 de maio de 1843.

Carlos Forbin Janson sempre se interessou muito pela realidade e evangelização dos povos. Já na adolescência manteve estreita ligação com os missionários da China. Seu desejo era ir à China e ser missionário com os missionários.

Pe. Monteil, da Congregação da Missão (CM), teria introduzido a Obra da Santa Infância no Brasil, em 1850, fato que teria sido documentado no Relatório Geral da Obra Pontifícia da Santa Infância de 1851, em que figuraria a parti­cipação do Brasil, no primeiro ano de funcionamento da Obra no nosso país. No entanto, fontes mais seguras referem o ano de 1858 como data de estabelecimento da Infância e Adolescência Missionária no Brasil.

No dia 15 de fevereiro de 1955, a Obra foi oficialmente reerguida no Brasil, por vontade expressa do Papa Pio XII, com a aprovação do Cardeal Dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota, na época Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

Atualmente existem 32 mil grupos da IAM em todo o Brasil, segundo a Pontifícia Obra da Infância e Adolescência Missionária.

Ana Paula Cardoso
Comunicação Institucional

 

Facebook Comments