RSS ARQUIDIOCESE
Você está aqui: Formação Formação Igreja

O Batismo - O batismo na história

Índice do Artigo
O Batismo
Jesus fala do batismo
A Virgem Maria
Deus vem salvar os homens
As purificações
Batismo de João Batista e de Jesus
Pertencemos a Cristo
Quem receberá a herança?
Pecado e graça
Comunidade dos cristãos
A fé do cristão
Mandato de Cristo
Templos do Espírito Santo
O batismo na história
Batismo de crianças
Cerimônias do batismo
Todas as Páginas

O batismo na história

Do século II ao VI

Nos primeiros séculos, devido aos perigos das heresias e apostasias provocadas pelas perseguições, se começou a fazer maiores exigências com os que desejas-sem tornar-se cristãos. Somente se admitia um candidato mediante a apresentação de um padrinho. Este, depois, o acompanhava durante os anos de preparação (três ou quatro anos), observando seu comportamento. Os candidatos, aos domingos, participavam da celebração da palavra. Depois, se retiravam, enquanto os cristãos continuavam a celebração eucarística.

No período de preparação à Páscoa, o catecúmeno participava mais intensamente da preparação. Ao aproximar-se da festa, o padrinho apresentava o catecúmeno ao bispo, que o recebia em nome do Senhor. Em seguida, o instruía sobre a Sagrada Escritura e as verdades do Creio.

Na noite que precedia a Páscoa, rezavam o Creio e o pai-nosso, recebiam a unção pré-batismal e depois eram batizados. Em Nazaré, ainda se encontram as ruínas de uma piscina deste tempo. Pode-se ver que o catecúmeno descia três degraus que o levava ao fundo. Ficava com água até o peito. Neste momento o celebrante o batizava, apoiando a mão na cabeça do catecúmeno e fazendo-o imergir por três vezes, dizendo: "Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". Em seguida, o recém-batizado subia pelo outro lado da piscina. Assim podia se entender melhor que o batismo era uma imersão na morte de Jesus (morte ao pecado) e uma ressurreição (subia um homem novo, sem pecado). Ou, podia ser uma passagem semelhante àquela dos hebreus, através do mar Vermelho, quando saíram do Egito. O batismo se apresentava como um novo êxodo, rumo à liberdade. Uma passagem da morte para a vida. Do pecado para a graça.

O batismo não é uma chegada. É uma partida que nos leva pelo caminho da verdadeira liberdade. São Pau-lo nos diz: "Irmãos, vocês foram chamados para ser livres" (GI 5,13), pois "Cristo nos libertou para que seja-mos verdadeiramente livres. Portanto, fiquem firmes e não se submetam de novo ao jugo da escravidão" (GI 5,1). Quanto ao batismo, "não se trata de limpeza da sujeira corporal, mas de compromisso solene de uma boa consciência diante de Deus, mediante a ressurreição de Jesus Cristo" (1Pd 3,21). Na verdade, nossa vida se desenvolve entre dois batismos: aquele da água e aquele da nossa morte. Entre os dois existe o tempo do deserto, através do qual, a exemplo do povo de Deus, caminhamos para a terra prometida. Neste tempo, Deus nos acompanha com sua palavra, nos alimenta com a eucaristia, nos guia pelo Espírito Santo e nos pede que caminhemos de mãos da-das com nossos semelhantes.

Do século VI ao XII

Nestes séculos, se reduz o tempo de preparação ao batismo (catecumenato). Toma-se normal o batismo de crianças. Por isso, o papel do padrinho muda. Agora, é aquele que representa e fala em nome daquele que será batizado.

Do século XII ao Vaticano II

A alta mortalidade infantil da Idade média faz com que se batize a criança quanto antes. E por comodidade, aos poucos, se abandona o batismo por imersão e se passa a batizar por infusão (se derrama água sobre a cabeça). No século XIV, praticamente, não existe mais batismo por imersão.

No início do século X, o batismo começa a ser administrado também fora da Páscoa.

E no século XII, em geral, existe somente batismo de crianças. Então, o catecumenato desaparece. Este costume chega até o Vaticano II. Depois do Concílio surgem cursos para pais e padrinhos, preparando o batismo.

Sacerdócio dos fiéis

Pelo batismo, o cristão toma-se membro do Corpo de Cristo, participante do seu sacerdócio. Pode, por isso, oferecer ao Pai a vitima Divina presente na Eucaristia. Também pode oferecer a Deus a criação e a atividade humana, transformando tudo num hino de louvor ao Criador.

São Pedro diz: "Vocês são raça eleita, sacerdócio régio, nação santa, povo adquirido por Deus, para pro-clamar as obras maravilhosas daqueles que chamou vocês das trevas para a sua luz maravilhosa. Vocês que antes não eram povo, agora são povo de Deus" (1 Pd 2, 9-10).






Pessoas que leram este artigo também leram:

Deixe seu comentário:

comentários  

 
# Luciane 16-07-2011 20:56
Boa noite gostaria de citar esse artigo em meu trabalho de conclusão de curso no Curso de Teologia, porem não encontrei autor. Gostaria se vocês pudessem me enviar a referencia desse artigo (como nome do autor, título, ano de publicação) para que eu possa ter o prazer de anexar ao meu trabalho.
Fico no aguardo. Agradeço muito a atenção.

Luciane de Oliveira Silva
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Pe. Bruno 26-11-2012 12:35
Luciane
gostaria de conhecer seu trabalho
Estou fazendo um estudo sobre o Batismo
desde já muito borigado
Pe. Bruno
Arquidiocese de Maringá PR
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# carlos sisnando sant 21-04-2012 12:04
gostaria de saber porque a paixão de JESUS CRISTO não
tem data fixa e porque todo ano tem data diferente.
ou a data da paixão e uma e o da crusificação e outra.
porque a data do nascimento de JESUS CRISTO E e no dia
25 de dezembro não importa o dia que aconteça.
se JESUS disse com o seu sangue nos lavou de todo pecado, e matou o pecado na cruz, porque se fala que ainda
temos pecado.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# mychelle 09-08-2012 15:45
Quantos padrinhos e madrinhas uma crinça pode ter incluindo os de consagração ?
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Edevaldo Griza 16-10-2012 07:34
Bom para o Batizado vc pode escolhe um casal, eles podem ser solteiros, mas tendo o Crisma ou um casa casado na Igreja. Você pode escolher outro padrinhos também porém um só casal irão ser os padrinhos de batizado de seu filho os outros poderão ajudar em seu processo de evangelização. Mas o permitido é somente 1 padrinho e 1 madrinha. Não sei se eu lhe ajudei.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# ana paula verni 13-09-2012 19:42
como posso batizar meu filho não sou casada sou catolica e sozinha nem padrinhos tenho,mas eu e o pai do meu filho queremos batizar nosso filho que já está com seis meses é possivel ele se tornar filho de Deus.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Pe. Bruno 26-11-2012 12:31
Estou fazendo um estudo sobre o Batismo na História
gostaria de conhecer este texto o Batismo de preferência o ivro ou artigo.
desde já muito obrigado
Pe. Bruno
Arquidiocese de Maringá PR
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# andreia felix 10-12-2012 09:14
Ola gostaria de saber qual o real significado dos padrinhos na celebração do batismo, é renunciar o pecado em nome da criança?
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Harley Roberto Dias 31-12-2012 18:48
O batismo em água é para sepultamento de nossos pecedo, uma vêz morto para o mundo, e vivificado pra Deus,com direito de remição de nossos pecados, sendo nacido de novo, nacido da água, apos o batismo nas águas virár otro que batisará no fôgo, que é o batismo no Espirito Santo de Deus,tenha como tipología, a cremação, aspessoas são cremadas depois sopradas para o már ou no fundo de sua casa junto á uma árvore do seu jardim, esta pessôa realmente morreu, assim e como o batismo no fogo do Espirito Santo de Deus, são queimado toda casca toda palha, e a semente nasse de novo ém Cristo Jesus, vivificado pelo Espirito Santo,transform ado, e cheio da unçao de salvação,o que é nacido da água, é da água, o que é nacido do Espirito é espirito, o que é nacido da carne é carne, és á rasão do ladrão ser salvo, primeiro êle morreu apos su converção, não tinha mais que pecar contra Deus, segundo êle foi tocado pelo o Espirito de Deus, e queimado pelo fôgo Santo,, Pr. Harley Roberto Dias da Silva.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# RICARDO BULGARELLI 10-09-2013 15:34
À luz das escrituras sagradas, a salvação é pessoal e intransferível. Todos devem recebê-la (pois é de graça, para que ninguém se glorie) mediante a fé professada, arrependimento dos pecados, reconhecimento de Jesus como único Salvador e desejo de viver uma vida de santidade, odediência e luta contra o pecado. Como pode uma pessoa professar a fé em Cristo e cumprir o sacramento do batismo sem saber falar ou ter consciência a respeito dessa decisão? O que dizer então da missa em prol do finado? Certa vez viu um padre orando pela salvação do morto, recorrendo à "poderosa intercessão de Maria". Misericórdia. O único intermediador entre o homem e Deus é Cristo! E só podemos interceder em vida! Precisamos de bons intérpretes da Bíblia. Paulo chamou de nobre um grupo de cristãos que recebia a palavra com avidez, mas examinava as escrituras para ver se as coisas eram de fato assim. QQ dúvida me procurem para verificarmos na inerrante Escritura o teor do meu comentário.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Rosângela Magalhães 19-09-2013 07:58
Bom Dia
Excelente para conhecimento e utilização em Cursos de Batismo e redação de TCC's. faltou referências bibliográficas.
ATT
Responder | Responder com citação | Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar