RSS ARQUIDIOCESE
Você está aqui: Formação Litúrgica Advento: significado e origem

Advento: significado e origem

Todos os grandes eventos exigem uma preparação. Por isso, a Igreja instituiu, na Liturgia, um período que antecede o Natal: o Advento.
Mas, ao longo da história da Igreja, tomou diversas formas.

Receber uma visita é uma arte que uma dona de casa exercita com freqüência. E quando o visitante é   ilustre, os preparativos são mais exigentes. Imagine o leitor que numa Missa de domingo seu pároco anunciasse a visita pastoral do bispo diocesano, acrescida de uma particularidade: um dos paroquianos seria escolhido à sorte para receber o prelado em sua casa, para almoçar, após a Missa.

Certamente, durante alguns dias, tudo no lar da família eleita se voltaria para a preparação de tão honrosa visita. A seleção do menu, para o almoço, o que melhorar na decoração do lar, que roupas usar nessa ocasião única. Na véspera, uma arrumação geral na casa seria de praxe, de modo a ficar tudo eximiamente ordenado, na expectativa do grande dia.

Essa preparação que normalmente se faz, na vida social, para receber um visitante de importância, também é conveniente fazer-se no campo sobrenatural. É o que ocorre, no ciclo litúrgico, em relação às grandes festividades, como por exemplo o Natal. A Santa Igreja, em sua sabedoria multissecular, instituiu um período de preparação, com a finalidade de compenetrar todas as almas cristãs da importância desse acontecimento e proporcionar-lhes os meios de se purificarem para celebrar essa solenidade dignamente.

Esse período é chamado de Advento.

Significado do termo
Advento - adventus, em latim - significa vinda, chegada.
É uma palavra de origem profana que designava a vinda anual da divindade pagã, ao templo, para visitar seus adoradores. Acreditava-se que o deus cuja estátua era ali cultuada permanecia em meio a eles durante a solenidade. Na linguagem corrente, significava também a primeira visita oficial de um personagem importante, ao assumir um alto cargo. Assim, umas moedas de Corinto perpetuam a lembrança do adventus augusti, e um cronista da época qualifica de adventus divi o dia da chegada do Imperador Constantino.

Nas obras cristãs dos primeiros tempos da Igreja, especialmente na Vulgata, adventus se transformou no termo clássico para designar a vinda de Cristo à terra, ou seja, a Encarnação, inaugurando a era messiânica e, depois, sua vinda gloriosa no fim dos tempos.

Surgimento do Advento cristão
Os primeiros traços da existência de um período de preparação para o Natal aparecem no século V, quando São Perpétuo, Bispo de Tours, estabeleceu um jejum de três dias, antes do nascimento do Senhor. É também do final desse século a "Quaresma de São Martinho", que consistia num jejum de 40 dias, começando no dia seguinte à festa de São Martinho.

São Gregório Magno (590- 604) foi o primeiro papa a redigir um ofício para o Advento, e o Sacramentário Gregoriano é o mais antigo em prover missas próprias para os domingos desse tempo litúrgico.

No século IX, a duração do Advento reduziu-se a quatro semanas, como se lê numa carta do Papa São Nicolau I (858-867) aos búlgaros. E no século XII o jejum havia sido já substituído por uma simples abstinência.

Apesar do caráter penitencial do jejum ou abstinência, a intenção dos papas, na alta Idade Média, era produzir nos fiéis uma grande expectativa pela vinda do Salvador, orientando-os para o seu retorno glorioso no fim dos tempos. Daí o fato de tantos mosaicos representarem vazio o trono do Cristo Pantocrator. O velho vocábulo pagão adventus se entende também no sentido bíblico e escatológico de "parusia".

O Advento nas Igrejas do Oriente
Nos diversos ritos orientais, o ciclo de preparação para o grande dia do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo formou-se com uma característica acentuadamente ascética, sem abranger toda a amplitude de espera messiânica que caracteriza o Advento na liturgia romana.

Na liturgia bizantina destaca-se, no domingo anterior ao Natal, a comemoração de todos os patriarcas, desde Adão até José, esposo da Santíssima Virgem Maria. No rito siríaco, as semanas que precedem o Natal chamam-se "semanas das anunciações". Elas evocam o anúncio feito a Zacarias, a Anunciação do Anjo a Maria, seguida da Visitação, o nascimento de João Batista e o anúncio a José.

O Advento na Igreja Latina
É na liturgia romana que o Advento toma o seu sentido mais amplo.

"Vigiai, pois, em todo o tempo e orai, a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos estes males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do Homem" (Lc 21, 36). É a recomendação do Salvador.

Como ficar de pé diante do Filho do Homem? A nós cabe corar de vergonha, como diz a Escritura. A Igreja assim nos convida à penitência e à conversão e nos coloca, no segundo domingo, diante da grandiosa figura de São João Batista, cuja mensagem ajuda a ressaltar o caráter penitencial do Advento.

Com a alegria de quem se sente perdoado, o terceiro domingo se inicia com a seguinte proclamação: "Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo: alegrai-vos! O Senhor está perto". É o domingo Gaudete. Estando já próxima a chegada do Homem- Deus, a Igreja pede que "a bondade do Senhor seja conhecida de todos os homens". Os paramentos são cor-de-rosa.

No quarto domingo, Maria, a estrela da manhã, anuncia a chegada do verdadeiro Sol de Justiça, para iluminar todos os homens. Quem, melhor do que Ela, para nos conduzir a Jesus? A Santíssima Virgem, nossa doce advogada, reconcilia os pecadores com Deus, ameniza nossas dores e santifica nossas alegrias. É Maria a mais sublime preparação para o Natal.

Com esse tempo de preparação, quer a Igreja ensinar-nos que a vida neste vale de lágrimas é um imenso advento e, se vivermos bem, isto é, de acordo com a Lei de Deus, Jesus Cristo será nossa recompensa e nos reservará no Céu um belo lugar, como está escrito: "Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou, tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que O amam" (1Cor 2, 9).

Leituras dos quatro domingos do advento

ANO A:
1º domingo (Mt 24,37-44) - A vigilância requerida do dono da casa
2º domingo (Mt 3,1-12) - Preparar um caminho para o Senhor - A pregação de João Batista
3º domingo (Mt 11,2-11) - Jesus mesmo é quem deve vir - A boa-nova para os pobres
4º domingo (Mt 1,18-24) - O Filho de Maria, dom do Espírito - O Deus-Conosco – Emanuel

ANO B:
1º domingo (Mc 13,33-37) - Estar vigilante para a vinda do Senhor
2º domingo (Mc 1,1-8) - João Batista e o batismo de conversão
3º domingo (Jo 1,5-8.19-28) - João Batista dá testemunho da Luz - Cristo, mais forte que ele.
4º domingo (Lc 1,25-38) - A anunciação do anjo a Maria

ANO C:
1º domingo (Lc 21,25-28.34-36) - Vigilância para a vinda do Filho do Homem
2º domingo Lc 3,1-6) - João Batista, o grande profeta - Sua vocação
3º domingo (Lc 3,10-18) - João Batista prega em atos - O que é a conversão para todos
4º domingo (Lc 1,39-45) - Maria visita Isabel - Nelas se encontram o Precursor e o Messias

Padre Mauro Sérgio da Silva Izabel
***

A Teologia e espiritualidade do Tempo do Advento


O Advento (do latim Adventus: “chegada”, do verbo Advenire: “chegar a”) é o primeiro tempo e inicio do Ano litúrgico, o qual antecede o Natal. Para os cristãos, é um tempo de preparação e alegria, de expectativa, onde os fiéis, esperando o Nascimento de Jesus Cristo, vivem o arrependimento e promovem a fraternidade e a Paz.

No calendário religioso este tempo corresponde às quatro semanas que antecedem o Natal.

O tempo do Advento é para toda a Igreja, momento de forte mergulho na liturgia e na mística cristã. É tempo de espera e esperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor, como uma noiva que se enfeita, se prepara para a chegada de seu noivo, seu amado.

Ano litúrgico

Ciclo anual através do qual a Igreja Católica comemora todo o mistério do Cristo, e que consta de: tempo do Advento, Natal, Epifania, tempo comum, Quaresma, Semana Santa, Páscoa, tempo pascal, Pentecostes e tempo comum até encerrar-se o ciclo no primeiro domingo do Advento.

O que diz a Igreja: «Ao celebrar anualmente a liturgia de Advento, a Igreja atualiza esta espera do Messias: participando da longa preparação da primeira vinda do Salvador, os fiéis renovam o ardente desejo de sua segunda Vinda. Celebrando o natal e o martírio do Precursor, a Igreja se une ao desejo de este: «É preciso que ele cresça e que eu diminua» (Jo 3, 30).  (Catecismo da Igreja Católica, # 524).

O Advento começa às vésperas do Domingo mais próximo do dia 30 de Novembro, e vai até as primeiras vésperas do Natal de Jesus contando quatro domingos.

Esse tempo possui duas características: Nas duas primeiras semanas, a nossa expectativa se volta para a segunda vinda definitiva e gloriosa de Jesus Cristo, Salvador e Senhor da história, no final dos tempos. As duas últimas semanas, dos dias 17 a 24 de Dezembro, visam em especial, a preparação para a celebração do Natal, a primeira vinda de Jesus entre nós. Por isto, o Tempo do Advento é um tempo de piedosa e alegre expectativa.

O Advento recorda a dimensão histórica da salvação, evidencia a dimensão escatológica do mistério cristão e nos insere no caráter missionário da vinda de Cristo. Ao serem aprofundados os textos litúrgicos desse tempo, constata-se na história da humanidade o mistério da vinda do Senhor, Jesus, que de fato se encarna e se torna presença salvífica na história, confirmando a promessa e a aliança feita ao povo de Israel. Deus que, ao se fazer carne, plenifica o tempo (Gl 4,4) e torna próximo o Reino (Mc 1,15).

O Advento recorda também o Deus da Revelação. Aquele que é, que era e que vem (Ap 1, 4-8), que está sempre realizando a salvação mas cuja consumação se cumprirá no “dia do Senhor”, no final dos tempos. O caráter missionário do Advento se manifesta na Igreja pelo anúncio do Reino e a sua acolhida pelo coração do homem até a manifestação gloriosa de Cristo. As figuras de João Batista e Maria são exemplos concretos da vida missionária de cada cristão, quer preparando o caminho do Senhor, quer levando o Cristo ao irmão para o santificar. Não se pode esquecer que toda a humanidade e a criação vivem em clima de advento, de ansiosa espera da manifestação cada vez mais visível do Reino de Deus.

A celebração do Advento é, portanto, um meio precioso e indispensável para nos ensinar sobre o mistério da salvação e assim termos a Jesus como referência e fundamento, dispondo-nos a “perder” a vida em favor do anúncio e instalação do Reino.

A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos valores essenciais cristãos, como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão. Deus é fiel a suas promessas: o Salvador virá; daí a alegre expectativa, que deve nesse tempo, não só ser lembrada, mas vivida, pois aquilo que se espera acontecerá com certeza. Portanto, não se está diante de algo irreal, fictício, passado, mas diante de uma realidade concreta e atual. A esperança da Igreja é a esperança de Israel já realizada em Cristo mas que só se consumará definitivamente na parusia (volta) do Senhor. Por isso, o brado da Igreja característico nesse tempo é “Maranatha! Vem Senhor Jesus!”

O tempo do Advento é tempo de esperança porque Cristo é a nossa esperança (I Tm 1, 1); esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas, na vida eterna, esperança que nos forma na paciência diante das dificuldades e tribulações da vida, diante das perseguições, etc. O Advento também é tempo propício à conversão. Sem um retorno de todo o ser a Cristo, não há como viver a alegria e a esperança na expectativa da Sua vinda.

É necessário que “preparemos o caminho do Senhor” nas nossas próprias vidas, lutando incessantemente contra o pecado, através de uma maior disposição para a oração e mergulho na Palavra.

Minha benção fraterna+
Padre Luizinho
***

Significado e uso da Coroa de Advento

Descrição
Consiste numa coroa feita com ramos verdes e flores, na qual se inserem 4 velas, que significam as 4 semanas de preparação para o Natal, ou seja, o Advento.

Trata-se de um suporte, normalmente redondo, com um aro de arame ou madeira, revestido de ramos vegetais ou de musgo: ou seja, uma coroa entrançada com uma verdura que se conserva, como os fetos. Sem flores. Sobre ela colocam-se quatro velas novas, de cor uniforme ou variada, como se prefira.

A coroa coloca-se sobre uma mesa, ou sobre um tronco de árvore, ou pendura-se elegantemente do teto.

As 4 velas são acesas à medida que  os 4 domingos de Advento se vão cumprindo.

No início da primeira semana de Advento acende-se uma vela. No segundo Domingo, duas. E assim sucessivamente até que, nas vésperas do Natal e no quarto Domingo, já estão acesas em todas as celebrações (dominicais e diárias) as quatro velas. Umas, naturalmente, gastaram-se mais que outras. [Também pode colocar-se uma quinta vela, branca no centro, na Noite de Natal: para expressar que o Advento foi tempo de preparação e é mais importante o Natal, com as suas duas grandes semanas. Pode-se juntar também uma imagem do Menino, dentro da própria coroa de Advento.]

História
É de origem germânica a coroa do advento e sua utilização posterior pelos missionários.  No Inverno, acendiam-se algumas velas que representavam o “fogo do deus sol”, com a esperança de que a sua luz e o seu calor voltasse. Os primeiros missionários aproveitaram esta tradição para evangelizar, relacionando-a com Jesus Cristo.
No séc. XVI torna-se símbolo do Advento nas casas dos cristãos. Este uso difunde-se rapidamente e implanta-se também na América.
No séc. XIX começou a colocar-se a coroa de Advento nas igrejas.
Existe uma tradição que sugere o nome das quatro velas: vela da Profecia, vela de Belém, vela dos Pastores, vela dos Anjos.

Uso da Coroa do Advento
O seu uso tem-se difundido cada vez mais entre nós. Ajuda a aprofundar a espera e a intensificar, em cada semana, a preparação para a vinda do Senhor.

A coroa está formada por uma grande quantidade de símbolos.
Com este símbolo da coroa, simples e dinâmico, trata-se de ir criando uma atitude de espera, com o seu jogo numérico, com o simbolismo da luz do verde, e com uma aproximação gradual que convida à preparação da vinda de Cristo Jesus, Luz e Vida para todos. No meio de um mundo secularizado, que tende a celebrar o Natal com slogans meramente comerciais, a coroa pode ser um pequeno símbolo dos valores que nós, os cristãos, vivemos nestes dias.
Natal é a festa da luz: “O povo que andava nas trevas, viu uma grande luz”. Cristo é a Luz do mundo. É Ele quem, com a Sua vinda, nos ilumina e nos conduziu à esperança.
A coroa de Advento aponta para o crescendo da Luz de Cristo, que dissipa as trevas deste mundo.
Ao acender semana após semana os quatro círios da coroa, significamos os nossos passos de aproximação à luz que vem sobre nós e é Cristo Jesus.

Simbologia
A sua forma circular indica a perfeição, a plenitude a que devemos aspirar na nossa vida de cristãos. O círculo não tem princípio, nem fim. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio e nem fim, e também do nosso amor a Deus e ao próximo que nunca deve terminar. Além disso, o círculo dá uma idéia de “elo”, de união entre Deus e as pessoas, como uma grande “Aliança”.
Como coroa, significa a dignidade, a realeza que Cristo veio outorgar ao cristão, isto é, a honra, a grandeza, a alegria, a vitória. (Em Ap 4,4-10 Cristo aparece como soberano e em Ap 14,14 tem uma coroa na cabeça como o próprio Deus).
É a “coroa dos eleitos”. Uma coroa é usada em diversas ocasiões: a noiva no casamento, as crianças em certas festas, na sepultura como sinal de uma vida plena. A coroa de Advento significa também a plenitude dos tempos.

Os ramos verdes significam também o senhorio de Cristo sobre a vida e a natureza, dons de Deus. Verde é a cor da vida e da esperança. Deus oferece-nos a sua graça, o seu perdão misericordioso e a glória da vida eterna no final de nossa vida.
A luz que se acende indica o caminho, afasta o medo e fomenta a comunhão. A luz das velas é símbolo de Cristo, luz do mundo.

As quatro velas da coroa simbolizam cada uma das quatro semanas do Advento. Acende-se uma vela em cada semana; uma na primeira, duas na segunda, três na terceira e quatro na quarta, simbolizando a nossa ascensão gradual para a plenitude da luz do Natal. No inicio, vemos nossa coroa sem luz e sem brilho. Recorda-nos a experiência da escuridão do pecado. À medida que se vai aproximando o Natal, vamos acendendo uma a uma as quatro velas, representando assim a chegada do Senhor Jesus, luz do mundo, que dissipa toda a escuridão, trazendo aos nossos corações a reconciliação tão esperada.
O número quatro também pode apontar para os quatro evangelistas, ou para os quatro mil anos que o Povo Judeu esperou o Messias.

Orações da Coroa de Advento
É costume, nos domingos de Advento, que as famílias e as comunidades se reúnam ao redor da coroa para rezar. Pode começar-se por uma estrofe de um canto de Advento. Pode ler-se antes ou depois de acender a vela uma passagem bíblica. Acende-se a vela que corresponde à semana em questão, acompanhando, se possível, com um canto, poema ou oração. Lê-se uma passagem da Bíblia (uma leitura profética tirada das leituras da Missa), própria do tempo do Advento e pode fazer-se alguma oração ou meditação. Pode-se recitar uma poesia ou uma oração de esperança. Pode-se rezar um Pai Nosso, Avé-Maria e Glória, ou concluir com uma outra estrofe do canto de Advento.

Acende-se na primeira semana uma vela, na segunda duas, etc.; pode fazê-lo cada semana um membro diferente da família ou do grupo.
A coroa pode ser abençada pelo sacerdote.

Utilização nas celebrações litúrgicas
A coroa de Advento pode colocar-se no lugar mais conveniente à arquitectura da igreja: ao centro, perto do ambão, perto do altar. Não se põe sobre o altar. O importante é que seja visível e possa ser valorizada. Pode guiar o itinerário de preparação para o Natal. Pode ser num lugar próximo daquele onde colocaremos o presépio e, porventura, a árvore de Natal.

As velas devem ser suficientemente grossas, de cores iguais ou diferentes, de alturas iguais ou desiguais. No Natal pode estar perto do presépio.
As velas podem-se acender durante o canto de entrada, logo no início da celebração após breve monição, ou antes do acto penitencial, antes das leituras, ou após a homilia.
Uma ou várias pessoas da comunidade levantam-se para acender as velas correspondentes. Podem-no ir fazendo pessoas representativas: crianças, jovens, um casal, uma religiosa. Também pode ser o presidente da assembleia a acender as velas.

Pode-se acompanhar este gesto com um canto ou leitura de um texto, ou uma oração em conjunto.
Na Missa do 1º Domingo de Advento, ao acender a coroa da igreja podem ser benzidas as coroas das famílias presentes.
Este rito de acender a coroa com uma oração, faz-se em todas as Missas dominicais. Nos restantes dias, as velas estão acesas antes de começar a celebração.
No Ritual das Bênçãos (nn.1235-1242) existe uma breve monição da coroa e um rito de benção para o efeito.

Utilização familiar ou em grupos
Quando a coroa se utiliza na família, no grupo de catequese ou na escola, pode dar lugar a um simples e sentido momento de oração.
A coroa do Advento deve ser colocada num lugar de destaque, pode ser um lugar próximo daquele onde colocaremos o presépio e, porventura, a árvore de Natal.
A coroa pode ser feita em família, aproveitando a ocasião para ensinar às crianças o sentido e o significado de tal símbolo.
Podem-se repartir as funções de cada membro da família durante a oração. Um pode ser o que acende a vela, outro o que lê a passagem bíblica, outro que faz algumas preces, outro que faz algum comentário...
A idéia é que todos possam participar e que seja uma ocasião de encontro familiar.




Pessoas que leram este artigo também leram:

Deixe seu comentário:

comentários  

 
# Padre Cézar 27-11-2010 19:24
Meu Deus !! Que portal completo, incrível, maravilhoso. A comunicação Católica do Brasil precisa conhecer e admirar este trabalho. Fiz 4 pesquisas no Google e caí aqui 3 vezes. Trabalho numa emissora católica de televisão e em breve contactarei vocês. Quero deixar explícito que me surpreendeu também a correção e a ortodoxia no português impecável e excelente. Minha humilde benção e admiração.
Padre Cézar
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Pe. Alex - Ig de Mcz 05-11-2011 15:30
Muito bem elaborado esse artigo sobre o advento. Esse artigo nos leva a tomada de consciência que a nossa Igreja é muito organizada na sua liturgia.
Parabéns!!
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# bianca 10-12-2011 21:18
quais são as cores das velas da igerja?
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# diác. José Silva 23-11-2012 16:41
Citando bianca:
quais são as cores das velas da igerja?

Bianca não existe uma definição com relação as cores, podem ser três rochas e uma rosa, como pode ser todas brancas ou de cores variadas.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# anailda 10-11-2012 20:57
coroa
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Celia Eliana 09-10-2013 14:04
Realmente as explicações muito boa,pois o tempo todo pensei que tinha 4 cores e hoje vejo que pode ser cores variadas,parabé ns pela matéria
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# jefferson 27-11-2013 16:16
quais sao as cortes da vela da igreja????
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Dedamina 27-11-2013 16:40
Gostei da forma como foi comentado o tempo do Advento.
Uma espiritualidade festiva e comprometida com a Palavra de Deus. É isso mesmo Advento tempo de conversão para atingirmos a verdadeira alegria que Jesus Cristo veio anunciar e viver no meio de nós. Valeu a pena tirar o meu tempo para ler esta mensagem tão bem fundamentada. Que pode ajudar-nos a aprofundar e viver com alegria e fé esse tempo tão pleno de significado.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# Lindamir 08-12-2013 19:35
Muito bem explicado sobre o advento vou usar com meus catequisandos da catequese de adultos.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
# SARA ROBERTA 11-12-2013 20:21
Parabéns! Documentário excelente e enriquecedor pra nossa fé Catolica! ADVENTO, purificação pra receber JESUS!
Responder | Responder com citação | Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar